terça-feira, 20 de junho de 2017

Pessoas estúpidas e o Facebook

Se calhar sou eu que sou antiquada, mas acho ridículo pessoas que usam o Facebook para tratar de coisas que devem ser faladas pelo telefone/telemóvel/pessoalmente. Principalmente quando essas coisas dizem respeito a animais doentes. 

Exemplo 1: 

"Preciso de saber o vosso horário. É urgente." Enviado as 00:30h.

Expliquei que não estávamos online a toda hora e que urgências só pelo telefone.
-----------------------------------------------------------------------------------

Exemplo 2:

"Boa noite. Envio mensagem, para que me possam informar. Tenho uma gata com cerca de 2 anos que há 6 dias começou a espirrar e com alguma dificuldade a respirar. Tem corrimento nasal e está mais apática que o normal. O apetite está normal. É possível recomendar alguma medicação, ou tratamento?" 

Obviamente que expliquei educadamente que nao davamos consultas pelo Facebook e que era ilegal receitar coisas sem ver o animal. Claro que no final aquilo que este individuo acéfalo retirou da história, é que os veterinários só querem saber de dinheiro!
--------------------------------------------------------------------------------------------

Exemplo 3: 

"Boa tarde. Queria marcar uma tosquia para amanhã." BLAHBLAHBLAH escrito, marcação feita. 

No dia seguinte o animal não aparece. Ligamos para saber o que se passa. Parece que afinal se enganou no Facebook e não era na nossa clínica que queria marcar -.-''
-------------------------------------------------------------------------------------

Depois isto até dá historias de rir. No momento é só irritante perceber que existe tanta estupidez neste mundo e quanta dela se descobre pelo Facebook.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Mais do mesmo, só que desta vez pior

Ontem, Domingo, tinha planeado acordar tarde e passar a manhã a ler, para terminar finalmente o "Dança, Dança, Dança" do Murakami. Lá fiz o meu pequeno almoço e liguei a tv, para passar os olhos pelas noticias da semana. Qual o meu espanto, quando sou brindada com uma manchete de 57 mortos e outro montão de feridos. Pensei logo que devia ter sido um atentado, numa qualquer cidade europeia. Só que não. Era aqui em Portugal.

Nós portugueses, devemos realmente estar a pagar o karma de toda a porcaria que fizemos desde a época dos descobrimentos até ao final das colónias. O ano estava a correr tão bem! Toda a gente optimista e com a moral no topo! Campeões europeus, o turismo a crescer, défice cada vez mais pequeno, mais emprego, um PR que ia (e vai) a todas...mas claro que há coisas que não mudam só com a força do pensamento positivo...

Todos os anos a tragédia se repete. Este ano os números foram maiores e mais assustadores. Será que é desta que o interesse colectivo ultrapassa o individual? 

Aparecem engenheiros e agrónomos que defendem a necessidade de uma reforma florestal, mas cá para mim, daqui a meia dúzia de semanas, quando já não existir mais testemunhos que causem emoção e o povo já não possa mais com este jornalismo sensacionalista de merda, o assunto morrerá. Para o ano haverá mais. E assim continuará a cultura do imediato e do "já", onde nenhum futuro se planeia #Yolo #quesefodamosoutros.

Ou pode ser que eu esteja simplesmente um bocadinho pessimista. Murakami consegue ter esse efeito sobre uma pessoa. 

De qualquer das formas, e apesar do meu pessimismo, não podemos deixar que se esqueçam daqueles que ficaram sem nada (embora eu não saiba o que aconteceu aos desgraçados dos que sofreram com os fogos na Madeira...). Há várias coisas que podem fazer, desde ligar para o 760 100 100 (doam 0,60€/chamada), ou transferir donativos directamente para a conta da Cáritas "Portugal abraça vítimas dos incêndios' (Caixa Geral de Depósitos) que tem o número 0001 200000 730 e o IBAN PT50 0035 0001 00200000 730 54, ou mesmo doar bens materiais como roupas, calçado e atoalhados, também a essa associação, ou a outras que estejam a pedir.  

sábado, 17 de junho de 2017

Coisas que me fazem deixar de seguir

Comecei a escrever este post em 2013 (quem anda a revisitar os rascunhos antigos??). Por alguma razão a lista ficou por publicar. Na falta de inspiração para melhor, aqui ficam 5 razões que me fazem deixar de seguir, ou não seguir determinado blog:

1) Quando um blog usa imagens desfocadas de livros, ou de outra coisa qualquer. Acho que é uma questão de brio; Blogs sem brio não me atraem;

2) Quando só vemos passatempos e mais passatempos, separados por imagens de livros com apenas a sinopse. Se eu quisesse ver um catálogo, ia ali ao hipermercado buscar um;



3) Música ambiente no blog. Já falei sobre isto. A música é uma coisa pessoal. Enquanto navego na Internet ouço a minha própria música. Além de me enervar a mistura de músicas e o reflexo imediato que tenho é o de fechar a janela. 



4) Abreviaturas estilo conversa de telemóvel. É q ñ é nd nito! 

5) Quando não se passa nada naquele blog durante mais do que um mês. É um bocadinho hipócrita da minha parte, uma vez que eu já estive parada muito tempo. Mas sim. É um dos motivos pelos quais deixo de seguir. 


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Ser veterinária não é só frustração

Pelos meus textos, parece que estou sempre frustrada com o meu trabalho. 80% é cansaço. Talvez os restantes 20% sejam frustração/pânico de errar/inexperiência. A verdade é que gosto de ser veterinária. 

Seguem-se aqui alguns dos pontos positivos do meu trabalho (mais numa de me tentar alegrar, do que propriamente de vos tentar convencer #todoobloggeréumpoucoegoísta):

1) Nenhum dia é igual ao anterior - Um dos meus problemas é gostar de muita coisa ao mesmo tempo. Eu sei que estamos na era da especialização, mas acredito que não conseguiria ser feliz a fazer só uma coisa. É por isso que gosto de medicina geral. Gosto de sentir que estou sempre a aprender como as coisas funcionam, que o meu trabalho não é algo mecânico e repetitivo.

2) Posso realmente ajudar os animais - Este é outro ponto óbvio do meu trabalho. Poderia fazê-lo sendo voluntária numa associação, ou apadrinhando animais sem dono. No entanto, ao ser veterinária posso efectivamente resolver o que estiver a causar-lhes mal estar. É uma sensação espantosa, quando conseguirmos ajudar os patudos a sentirem-se bem. 

3) Todos os dias educamos as pessoas e destruímos mitos - Fico espantada com a quantidade de mitos que ainda existem, no que diz respeito aos cuidados com os nossos animais de companhia. É bom sentir que estamos a protegê-los de crenças antigas e questionáveis (por exemplo - as fêmeas NÃO tem de ter pelo menos uma ninhada para serem saudáveis!) e que estamos lentamente a mudar mentalidades. 

4) Existem aqueles clientes especiais - Aqueles que vamos acompanhando desde pequeninos e que se vão tornando em seres espantosamente carinhosos e simpáticos. 

5) Temos oportunidade de trabalhar com pessoas espantosas - Que mais ou menos nos vão passando experiência e conhecimento. Algumas delas até nos conseguem inspirar a continuar a batalhar (mesmo fora de horas). 

6) Em tudo o que faço lembro-me do meu Figo - O gatinho que fez com que toda esta luta começasse. 




quarta-feira, 14 de junho de 2017

Passatempo "O Bosque dos Pigmeus" Isabel Allende

Hoje, só porque sim, resolvi oferecer-vos a oportunidade de ganharem um livro de bolso! Este formato é óptimo para levar na bolsa, mala, ou mochila, para o vosso destino de férias (ou trabalho) exótico!

A Isabel Allende foi uma surpresa engraçada que descobri neste ano de 2017 e por isso optei por este "O Bosque dos Pigmeus. Este é o livro que encerra a trilogia "As Memórias da Águia e do Jaguar", e poderá ser uma leitura interessante...irei publicar a minha opinião em breve...










Para se habilitarem a ganhar podem preencher o formulário em baixo. O uso de Facebook é opcional (embora aumente as hipóteses de serem os sorteados). Apenas é crucial seguirem o blog com a vossa conta Google. 

BOA SORTE!

a Rafflecopter giveaway

- São aceites moradas de todo o mundo.
- São aceites participações até às 00:00 do dia 17 de Julho de 2017.
- Podem partilhar publicamente o passatempo as vezes que quiserem, para aumentar as vossas hipóteses de serem os vencedores. 
- O vencedor é contactado por e-mail pelo Baú dos Livros e tem até 10 dias para reclamar o seu prémio, fornecendo a sua morada completa;
- O Baú dos Livros não se responsabiliza pelo extravio das encomendas enviadas.

Diário da (pseudo) Princesa #2

Contextualização desta crónica semanal - AQUI


Dia 08 de Agosto de 2002 (mais tarde)

Estou no Norte shopping. Estou a apanhar uma enorme seca! Vou contar as pessoas com telemóveis nas mãos - IIIII I...já parei. O estúpido do meu irmão tá a chatear-me. 

Neste momento estamos na loja "Lacoste". Acho que o meu pai tem algumas camisolas desta marca.

Vou escrever um código, para quando o meu irmão cusco estiver a olhar: Vou pensar.



Já estou em casa da minha tia e do meu tio e das minhas primas. Para me entreter vou desenhar as casas dos "sims":



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Como podem ver a minha vida aos 12 anos era muito complexa. E claro que eu nunca utilizei aquele código em mais nenhum local do diário.

Espantoso, como aos 12 anos eu já andava metida no The Sims...